A zero hora desta terça-feira, dia 23 de fevereiro, pela primeira vez na história vai estar decretada a vacância do cargo de prefeito e vice-prefeito de Arcoverde. É que já foi publicado do diário oficial eletrônico do TRE-PE, com a data de amanhã o acórdão que cassou os mandatos do prefeito Wellington Maciel (MDB) e do seu vice, o delegado Israel Rubis (PP). A cidade vai amanhecer sem prefeito, sem vice e sem secretários, já que suas portarias perdem valor.

Com a vacância do governo, quem assume o Poder Executivo é o presidente da Câmara, o vereador Wevertton Siqueira (PSB), Siqueirinha, que deverá convocar uma sessão extraordinária para realizar a solenidade de posse. Para o seu lugar no comando do Poder Legislativo vai a vereadora Luiza Margarida (MDB), atual vice-presidente. O novo prefeito interino terá que editar novas portarias renomeando os atuais secretários ou substituindo-os.

Com a decisão, tanto Wellington como o Delegado Israel, também ficam com seus direitos políticos suspensos por oito anos, não podendo assumir nenhum cargo público, a exemplo de secretarias municipais.

Empossado em 1º de janeiro de 2021 após uma eleição marcada por uma série de denúncias e ações promovidas junto à justiça eleitoral devido ao excesso de irregularidades, o empresário/político, Wellington Maciel, deixa o mandato após 52 dias à frente da prefeitura, ficando inelegível pelos próximos oito anos. Fato inédito nos 93 anos de Arcoverde.

Wellington foi cassado aos uma ação de investigação judicial eleitoral que continha acusações de abuso de poder político e econômico. Deduzidas na petição inicial, o relator do TRE entendeu serem procedentes seis delas, as de número 1, 6, 7, 8, 12 e 13 que constavam na AIJE.

No voto, ao analisar um dos pontos que condenou os três políticos (Wellington, Israel e Madalena), Beltrão diz claramente que “a conduta do grupo político dos Recorrentes é absolutamente reprovável” e “releva grave abuso de poder político com vistas a interferir no equilíbrio do pleito”.

Wellington Maciel e o delegado Israel Rubis tiveram a chapa cassada e o diploma cassado, sendo decretada a vacância do cargo, além de terem seus direitos políticos suspensos por oito anos, mesma pena aplicada a ex-prefeita Madalena Britto (PSB).

Os políticos ainda tentam um recurso especial no TSE para tentar reverter o 7 x 0 imposto pelo Pleno do Tribunal Regional Eleitoral de Pernambuco.

 

FONTE: A FOLHA DAS CIDADES